• Marcello Veríssimo

    Caixa de Pandora, neste caso pacotes de bolacha. A antiga lenda da mitologia grega, que trata da caixa onde os deuses colocaram todas as desgraças do mundo, também pode ser utilizada para ilustrar a apreensão de maconha inusitada que surpreendeu os funcionários do CDP (Centro de Detenção Provisória) “Dr. Eduardo Mariz de Oliveira”, em Caraguatatuba, na sexta-feira (20).

    A assessoria de imprensa da SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) informou que a droga estava escondida e pacotes de bolacha enviados para um preso. A “encomenda” foi enviada pela mãe do detento.

    A SAP informou que o flagrante só foi descoberto durante a revista nos itens, após desconfiarem dos quatro pacotes de bolacha. A erva estava dividida em porções escondidas estrategicamente no interior dos pacotes, furados especialmente para o transporte do entorpecente. A maconha apreendida totalizou 71 gramas.

    O Centro de Detenção Provisória de Caraguatatuba encaminhou a droga para a delegacia na região central, onde está registrado o boletim de ocorrência. A mãe do preso que encaminhou o entorpecente ao CDP teve o nome retirado da lista de visitas.

    A direção do centro prisional também abriu procedimento interno para apurar o envolvimento do detento no caso.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.