• Marcello Veríssimo

    O Carnaval 2022 espantou o frio e levou centenas de moradores e turistas para acompanhar a festa na passarela do samba, durante o fim de semana, na rua Doutor Carvalho, na Vila. Apesar do frio e dos casacos, os foliões entraram no clima da folia e, aos poucos, iam tirando a roupa embalados pelo ritmo dos tamborins. Além da folia na Vila, centro histórico da ilha, a prefeitura também realizou o “Carnasul”, com banda de marchinhas e Dj, no píer da Praia Grande.

    O prefeito de Ilhabela, Toninho Colucci (PL), acompanhou tudo de perto com seu olhar atento. “Tivemos que desmarcar o Carnaval em fevereiro, pois a pandemia assustou todo mundo. Mas todas as cidades da região desmarcaram e não tinha como Ilhabela ser a única a fazer o Carnaval naquela época. Em virtude do nosso calendário de eventos, resolvemos fazer no fim de maio. Temos convicção de que foi um sucesso, quem sabe daqui em diante vai acontecer sem fora de época, uma micareta”, disse o prefeito. “No feriado, em fevereiro, a cidade sempre lota e a nossa ideia é manter a cidade cheia para manter os empregos da nossa gente, nossa indústria é o turismo”, afirmou o prefeito.

    Ainda na sexta-feira (20), quem abriu a festa foi o Bloco da Camisinha composto por funcionários da Saúde do arquipélago e integrantes da comunidade local lembrando de brincar o carnaval sem se descuidar da saúde. Também desfilaram no primeiro dia os blocos de embalo Kebra Mar e La Festa, depois os foliões mais animados puderam matar a saudade e invadir a avenida para aproveitar o tradicional baile de rua.

    Já no sábado (21), o desfile das cinco escolas de samba de Ilhabela trouxe de volta a animação que todo folião gosta. A Mocidade Independente de Ilhabela foi a segunda escola de samba que desfilou. “O coração está a mil, ainda estamos na concentração, mas estamos prontos para entregar o nosso melhor carnaval e divertir o público”, disse a madrinha da bateria, Keroly Assunção, que está no seu 2º desfile pela escola.

    Com o enredo “A Tentação da Criatura é Refazer a Criação. A Redenção é na folia, levando aos céus meu Pavilhão”, a escola de samba foi uma das que mais animou o público. Também desfilaram no sábado, Unidos de Padre Anchieta, Leões do Ita, Água na Boca e Garrafão. “Esse ano o conceito da passarela deu uma ampliada, está mais arejado, mais aberto. A ideia é manter o carnaval, preservar sua cultura, que é muito importante para a comunidade e as escolas de samba de Ilhabela”, disse Cleber Biscassi, presidente da Leci (Liga das Entidades Carnavalescas de Ilhabela).

    Domingo – O domingo de sol registrou temperatura máxima de 21 graus na ilha, céu sem nuvens e o cenário perfeito para a volta do tradicional “Banho da Dorotéia”, que arrasta foliões de todas as idades pelas ruas da Vila. Os mais animados se fantasiam com trajes em papel crepom e depois entram no mar, deixando a água colorida pela tinta que sai do papel.
    Para fechar a folia com chave de ouro, no domingo, a escola de samba paulistana “Unidos de Vila Maria” fez uma apresentação especial às 19h, revivendo o samba de 2016 “A Vila famosa é mais bela, Ilhabela de fantasia”. A última noite reservou mais animação aos foliões com os blocos oficiais Unidos do Morro, Tim Malha e Pequeá antes do baile de rua.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.