• Marcello Veríssimo

    Zelar pelo cuidado, autoestima e autoconfiança de mulheres fragilizadas por algum tipo de situação de vulnerabilidade. Essa é a missão principal do espaço “Mulheres do Bem”, em Ilhabela, que abriu suas portas na última sexta-feira (6), na Barra Velha, região central do arquipélago. O projeto vai reunir profissionais mulheres voluntárias, de diferentes áreas, entre terapeutas, advogada, professoras, entre outras, para receber, acolher, orientar com o objetivo de transformar para melhorar a vida das mulheres que procurarem o serviço. “O projeto Mulheres do Bem inaugura hoje voltado para ações sociais de empoderamento feminino. Nós vamos trazer fortalecimento através de palestras, workshops, cursos onde mulheres vão perceber que com a soma das ações de outras mulheres podemos fortalecer cada uma de nós, enquanto nós fortalecemos as mulheres fortalecemos também suas famílias, seus filhos, seus maridos e companheiros”. “O mais importante é que nós percebemos que essa ação vai provar a diferença do assistencialismo da verdadeira ação de empoderamento que uma ação social traz. E é esse fortalecimento que buscamos na sociedade, as mulheres fazem parte de uma maneira maciça desta mudança. Nós fazemos parte desta transformação!”, disse Ire Juliani, empresária e idealizadora do projeto.

    A cerimônia contou com a presença de aproximadamente 300 pessoas entre empresários, empreendedores e autoridades que, de alguma forma, se preocupam e querem mudar para melhor o destino destas mulheres. O espaço conta com toda infraestrutura necessária para fazer com que todas as mulheres se sintam ouvidas, acolhidas e assistidas pelas profissionais envolvidas no projeto. “São terapeutas, profissionais da saúde que vão nos ajudar a saber das necessidades de saúde destas mulheres, apoio com advogados que vão trazer informações e conhecimento dos direitos da mulher, o que nos assiste e nos apoia. É esse apoio, é com essa forma de união que todas nós faremos parte deste projeto”, completou Juliani.

    O projeto “Mulheres do Bem” é composto por profissionais independentes, com alicerce empresarial, visando exclusivamente o empoderamento feminino, sem motivações políticas. “São mulheres que desejam fazer a diferença na nossa sociedade, não significa que você tem algum interesse, você quer fazer algo melhor e fazer a mudança na vida de alguém. É isso que esse espaço simboliza: a mudança na sociedade, fortalecer esse empoderamento, nós devemos estar onde queremos estar”, destacou Ire Juliani.

    Uma destas “Mulheres do Bem”, que vão atuar no projeto, é a consultora de bem estar, inteligência emocional e criadora do FEM (Facilitadora do Empoderamento Feminino), Nara Moraes, que chega no arquipélago pronta para fazer o melhor. “Estou muito feliz em fazer parte deste projeto. Trabalhei muitos anos em urgência em emergência, ambulância, UTI adulto e foi aí que aprendi a respeitar o ser humano, cada vida. Após viver quatro relacionamentos abusivos decidi virar o jogo. Eu senti uma necessidade de achar alguma forma de ajudar as mulheres, podem contar comigo!”, disse Nara Moraes, que é enfermeira de formação e tem uma história de vida integralmente ligada ao “Mulheres do Bem”.

    A produtora cultural, Rosangela Sebastião de Souza, também aposta no sucesso do projeto “Mulheres do Bem”. “Essa oportunidade era um sonho meu, um sonho que tinha dentro do meu coração. Moro em Ilhabela há cinco anos, quando cheguei senti que precisava fazer uma coisa pelo município, de ter um espaço para empoderar a mulher, de trazer todo o poder que temos dentro de nós, que muitas de nós não conseguem enxergar, não conseguem se ver, acham que são inferiores e não podem. Mas nós podemos e estamos aqui para mostrar a vocês”.
    Para saber mais sobre o projeto, basta seguir o Instagram oficial @mulheresdobemilhabela.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *